sexta-feira, 31 de julho de 2009

As coisas como elas são (ou deveriam ser)

A Igreja que não existe mais (1)
por Ariovaldo Ramos

“Todos os que criam estavam unidos e tinham tudo em comum. E vendiam suas propriedades e bens e os repartiam por todos, segundo a necessidade de cada um. E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos.” At 2:43-47

Na época do surgimento da Igreja do Novo Testamento, a palavra igreja significava, apenas, uma reunião qualquer de um grupo organizado ou não. Assim, o texto nos revela que havia um grupo organizado em torno de sua fé (Todos os que criam estavam unidos) – todos acreditavam em Cristo.

Segundo o texto, os participantes do grupo do Cristo não tinham propriedade pessoal, tudo era de todos (tinham tudo em comum) – os membros desse grupo vendiam suas propriedades e bens e repartiam por todos – e isso era administrado a partir da necessidade de cada um; e se reuniam todos os dias no templo; e pensavam todos do mesmo jeito, primando pelo mesmo padrão de vida (unânimes); e comiam juntos todos os dias, repartidos em casas, que, agora, eram de todos, uma vez que não havia mais propriedade particular; e eram alegres e de coração simples; e viviam a louvar a Deus; e todo o povo gostava deles, e o grupo crescia diariamente. Diariamente, portanto, havia gente acreditando em Cristo, se unindo ao grupo, abrindo mão de suas propriedades e bens e colocando tudo à disposição de todos.

Essa Igreja era a Comunhão dos santos – chamados e trazidos para fora do império das trevas, para servirem ao Criador, no Reino da Luz.

Essa Igreja não precisava orar por necessidades materiais e sociais, bastava contar para os irmãos, que a comunidade resolvia a necessidade deles.

Deus havia respondido, a priori, todas as orações por necessidades materiais e sociais, fazendo surgir uma comunidade solidária.

O pedido: “O pão nosso de cada dia, dá-nos hoje." (Mt 6.9) estava respondido, e diariamente.

Então, para haver o “pão nosso” não pode haver o pão, o bem ou a propriedade minha, todos os bens e propriedades têm de ser de todos.

Mais tarde, eles elegeram um grupo de pessoas, chamadas de diáconos – garçons, para cuidar disso (At 6.3). Então, diante de qualquer necessidade, bastava procurar os garçons, que a comunidade cuidava de tudo. Era o princípio do direito: se alguém tinha uma necessidade, a comunidade tinha um dever.

Essa Igreja não existe mais!

[Reverberado. Discordo do Ari. Essa Igreja existe sim, só está adormecida e ou dispersada.]

Fonte: Portal Missão Integral

3 comentários:

ocristaorevoltado disse...

Artigo de mais um comunista enrustido. Essa igreja realmente não existe mais, entretanto, o que o autor deseja é a implantação do comunismo, que não tem nada em comum com a experiência cristã primitiva, mais sim com perseguição religiosa, autoritarismo e ateísmo. O "garçom" que o autor quer não é um diácono; é um endemoninhado como Fidel Castro, Chávez ou mesmo Lula.

Antonio Mano disse...

Por favor.. releia o post.. mas desta vez.. despido da revolta.. aí sim.. entederá o que o autor quis dizer.. aí sim.. perceberá que o Ari falou de muita coisa.. rs.. menos de Fidel, Chávez ou mesmo Lula.

Obrigado pela visita.

[C. R.] O Cristão Revoltado! disse...
Este comentário foi removido pelo autor.